CTS orienta utilização de licenças Creative Commons para exposição no Museu da Imigração

sexta-feira
06/05/2016

CTS orienta utilização de licenças Creative Commons para exposição no Museu da Imigração

O Centro de Tecnologia e Sociedade (CTS) da Escola de Direito do Rio de Janeiro da FGV (Direito Rio) é colaborador do Museu da Imigração, em São Paulo, no projeto “Encontros com Acervo”, que será inaugurado no dia 21 de maio. A exposição é a primeira experiência da instituição de liberação de conteúdo com uso de licenças Creative Commons (CC) em praticamente todas as frentes: fotos do acervo (que serão compartilhadas no Pinterest e na Wikimedia), textos de blog/Medium, folder e material educativo.

O CTS contribui por meio do projeto Acervos Digitais, com auxílio na indicação das licenças CC consideradas mais adequadas para os tipos de obras exibidas e os usos que delas serão feitos. Os pesquisadores do centro têm colaborado com a equipe do museu na revisão de seus termos de licenciamento de conteúdo relacionado ao acervo, como fotografias, pinturas, esculturas, desenhos e outros tipos de material com autoria para que se faça o melhor uso desse material e maximizando as oportunidades de acesso aberto.

“Usar as licenças Creative Commons veio da constatação de que elas representam uma forma clara e objetiva de dizer ao público o que pode ser feito com o conteúdo relativo ao acervo e que é disponibilizado pela instituição na web. Portanto, usar licenças CC para esse fim de disponibilização de conteúdo pode ser visto como um movimento natural. Além disso, usar as licenças CC é um modo de participar do grande movimento promovido pelo Creative Commons e outras organizações em prol do compartilhamento, remix e reuso de conhecimento ao redor do mundo”, destaca Juliana Monteiro, analista de preservação do Museu da Imigração.

O primeiro teste com o material educativo e as imagens das peças selecionadas vão constar na exposição "O caminho das Coisas". Serão utilizadas plataformas online, entre elas a Wikimedia Commons, para verificação do que funcionará melhor para o público. A escolha por essa exposição se deu porque ela é resultado do projeto "Encontros com Acervo", que tem um perfil colaborativo forte.

“A digitalização é uma forma poderosa de maximizar o acesso a itens que muitas vezes não podem ser visualizados facilmente pelas pessoas, por uma série de fatores. No caso dos museus, a digitalização colabora para a divulgação de itens do acervo, por exemplo, que podem ficar longos anos dentro de reservas técnicas ou em estantes. É outra forma de fazer com que um patrimônio cultural seja conhecido por quem quer que seja”, completa.

O CTS é um dos representantes do Creative Commons no Brasil, um projeto criado pelo Professor Lawrence Lessig, com sede na Universidade de Stanford, que tem o objetivo de expandir a quantidade de obras criativas disponíveis ao público e permitir sua reutilização, por meio de licenças jurídicas. O CTS trabalhou ativamente na adaptação das licenças CC para o ordenamento jurídico brasileiro.