Autoavaliação Institucional

 

No dia 5 de julho, a nova Comissão Própria de Avaliação (CPA) da FGV Direito Rio, nomeada no dia 11 de junho, realizou sua primeira reunião. O encontro foi aberto pelo Diretor da Escola, Prof. Sérgio Guerra, que apresentou a instituição e as expectativas sobre a atuação da CPA no desenvolvimento da Escola. A CPA tem uma relevante missão. Seu objetivo é buscar a melhoria da qualidade da Escola, promover a articulação entre os resultados das avaliações e propor ações acadêmico-administrativas em função dos resultados de avaliações internas e externas. Para promover a imparcialidade e a objetividade em sua atuação, a escolha para a composição da Comissão se norteou na representação paritária de diferentes segmentos. A atual Comissão é composta por quatro representantes do corpo docente, sendo um deles o presidente da comissão, três representantes do corpo discente (graduados, pós-graduados e egressos), três representantes do corpo técnico-administrativo e três representantes da sociedade civil.

Atualmente, compõem a CPA: como presidente, Fernando Leal (Professor Doutor em Direito pela Christian-Albrechts-Universität zu Kiel, Alemanha); como representantes do corpo docente (graduação e pós-graduação), Mario Brockmann Machado (Professor Doutor em Ciência Política pela University of Chicago, este como Professor Fundador da Escola e Patrono do Centro Acadêmico da Graduação da FGV Direito Rio – Centro Acadêmico Mario Machado - CAMM.), Patrícia Sampaio (Professora Doutora em Direito pela USP) e Leandro Molhano(Professor Doutor em Ciência Política pelo IUPERJ). Como representantes do corpo discente, Fernanda Marques (pós-graduação stricto sensu), Maria Eduarda de Skowronski Gomes (graduação, e Diretora Institucional do Amplia FGV, curso pré-vestibular social) e Dione de Assis (egressa da 1ª turma do curso de graduação e do Mestrado em Poder Judiciário em 2012, é Gerente Jurídica do Consórcio Guanabara de Transportes); como representante do corpo técnico-administrativo, Margareth Jacobi, Sérgio França e Marco Antonio Amaral.

Como representantes da sociedade civil organizada, Armando Strozenberg (Publicitário, atual chairman Brasil da Z+, presidente nacional da Associação Brasileira de Agências de Publicidade (Abap) no período de 2016/2017, sócio da Casa do Saber e que ainda faz parte de 10 Conselhos – Museu de Arte Moderna, Orquestra Sinfônica Brasileira, Museus Castro Maya, Paço Imperial, Brazil Foundation, ESPM, entre outros); Erick Navarro (Juiz Federal do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, no Rio de Janeiro, desde 2005. Vice-Presidente da Associação Brasileira de Direito e Economia (ABDE), pesquisador visitante na Harvard Law School entre 2016 e 2017. Doutor em Direito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e membro do conselho da The Future Society (SLS)) e Pedro Aguiar de Freitas (Advogado e Diretor de Relações Internacionais do Centro de Estudos das Sociedades de Advogados – CESA. Iniciou sua carreira jurídica no Veirano Advogados e ampliou sua experiência ao lidar com moratórias de empresas e países e reorganização societária em vários países latino-americanos nos dois anos em que trabalhou para um dos principais escritórios de advocacia internacional de Chicago. Em seguida, foi contratado em 1985 para trabalhar na International Finance Corporation (IFC) em Washington, D.C., onde prestou assessoria em financiamento de projetos, reestruturação societária, e negociações de investimentos de dívida e capital em diversos continentes. Foi diretor jurídico de algumas das maiores empresas globais brasileiras líderes em Mineração Logística, telecomunicações, construção, desenvolvimento de projetos em energia, transportes, aeroportos e portos. Foi Sócio Gestor do Veirano e atualmente é membro do seu Conselho de Administração. É membro fundador e Vice-Presidente do Instituto Innovare, uma organização não política destinada ao desenvolvimento da eficiência e eficácia do sistema judiciário brasileiro e foi eleito para o Conselho da Fundação Renova, que cuida da recuperação de áreas impactadas pelo acidente da barragem de rejeitos da mineradora Samarco).

  • O que é planejar, desenvolver e avaliar para a FGV DIREITO RIO?
    • Superação de resistências, receios, individualismos, entraves e problemas;
    • Conquista da confiança no trabalho coletivo e da participação no desenvolvimento institucional;
    • Responsabilidade com a missão da FGV DIREITO RIO;
    • Identificação de dificuldades e de potencialidades;
    • Compromisso com a democratização e autonomia;
    • Integração de esforços;
    • Negociação de conflitos;
    • Compreensão das relações de interesses individuais e coletivas;
    • Desenvolvimento institucional em consonância com a proposta educacional.
  • O que é CPA?

    A Escola de Direito do Rio de Janeiro da Fundação Getulio Vargas, mantendo-se de acordo ao disposto no artigo 11 da Lei 10.861/04, constituiu, a partir de Resolução Acadêmica, sua Comissão Própria de Avaliação (CPA).

    São atribuições da CPA: condução dos processos de avaliação internos da instituição, de sistematização e de prestação das informações solicitadas pelo INEP, obedecidas as seguintes diretrizes: I - constituição por ato do dirigente máximo da instituição de ensino superior, ou por previsão no seu próprio estatuto ou regimento, assegurada a participação de todos os segmentos da comunidade universitária e da sociedade civil organizada, e vedada a composição que privilegie a maioria absoluta de um dos segmentos; II - atuação autônoma em relação a conselhos e demais órgãos colegiados existentes na instituição de educação superior

    A Comissão se reúne trimestralmente de forma ordinária e extraordinariamente, sempre que necessário, por convocação de seu Coordenador, do Diretor ou de três de seus membros.

  • Quem somos?

    O processo de Avaliação Institucional é coordenado pela Comissão Própria de Avaliação da FGV DIREITO RIO (CPA FGV DIREITO RIO), composta pelos seguintes membros:

    • Fernando Leal - Presidente;
    • Patrícia Sampaio – Representante do corpo docente vinculada à graduação;
    • Leandro Molhano - Representante do corpo docente vinculado à graduação e à pós graduação stricto sensu;
    • Mario Brockmann Machado – Representante do corpo docente: Professor Fundador;
    • Maria Eduarda de Skowronski Gomes – Representante do corpo discente da graduação;
    • Fernanda Marques – Representante do corpo docente do mestrado;
    • Dione Valesca Xavier de Assis – Egressa graduação;
    • Margareth Jacobi – Representante do corpo técnico-administrativo;
    • Sérgio França – Representante do corpo técnico-administrativo;
    • Marco Antonio Amaral – Representante do corpo técnico-administrativo;
    • Armando Strozenberg – Representante da sociedade civil organizada;
    • Pedro A. Freitas – Representante da sociedade civil organizada;
    • Erick Navarro – Representante da sociedade civil organizada.
  • Depoimentos
     
  • A Autoavaliação

    A FGV DIREITO RIO realiza anualmente a autoavaliação conforme os 5 eixos indicados pala PORTARIA MEC Nº 1.382, de 31 de Outubro de 2017.

    1.  Planejamento e Avaliação Institucional;
    2.  Desenvolvimento Institucional;
    3.  Políticas Acadêmicas;
    4.  Políticas de Gestão;
    5.  Infraestrutura.
  • A Ouvidoria

    Este é o canal de comunicação entre a comunidade acadêmica, a sociedade civil e a FGV. Através dele é possível reclamar, enviar sugestões e esclarecer dúvidas sobre os serviços prestados.

    A ouvidoria tem o objetivo de:

    1. Enfatizar a comunicação aberta, transparente e objetiva, com alunos, professores das Academias e do Instituto de Desenvolvimento Educacional;
    2. Atuar com precisão e agilidade no esclarecimento de dúvidas e informações solicitadas;
    3. Atender os Instrumentos de Avaliação do MEC;
    4. Receber manifestações, encaminhar aos setores responsáveis, analisar suas respostas e verificar procedimentos cabíveis;
    5. Acompanhar providências adotadas como soluções aos problemas indicados;
    6. Aprimorar processos internos das Escolas e do Instituto de Desenvolvimento Educacional a partir da identificação de demandas;
    7. Assegurar sigilo e confidencialidade no atendimento;
    8. Responder às manifestações dos usuários, no menor prazo possível.
  • O Processo de Planejamento Estratégico

    Indicadores da Avaliação Institucional da FGV DIREITO RIO subsidiam o processo de Planejamento Estratégico para alcançar os objetivos traçados a curto, médio e longo prazo.

    Relatório da CPA FGV DIREITO RIO, as reflexões da Comunidade Acadêmica realizados no Seminário Anual de Planejamento e relatórios de atividades de cada área retroalimentam a diretoria, os coordenadores de área e os coordenadores de cada e a gerência executiva para a elaboração do Planejamento Estratégico.

  • Compliance

    O constante aperfeiçoamento do Plano de Desenvolvimento Institucional potencializa a imagem da FGV DIREITO RIO e, ao mesmo tempo, favorece o acesso a informações e sua objetivação em ações que conjugam na comunicação com a comunidade acadêmica e o mercado de trabalho.

  • CPA FGV DIREITO RIO – Relatórios

    A Comissão Própria de Avaliação – CPA da FGV DIREITO RIO, em conformidade com a legislação vigente do Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior (SINAES), conduz os processos de avaliação internos desta instituição com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento da Educação Superior e disponibilizar informações ao Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP).

    A autoavaliação coordenada pela Comissão Própria de Avaliação (CPA DIREITO RIO) é um processo que serve à instituição e ao seu desenvolvimento, através de percursos metodológicos de administração educacional.

    A CPA investiga os processos internos da FGV DIREITO RIO, bem como sua percepção externa pela sociedade civil.  Há representatividade igualitária de todos os setores da instituição, ligados ao ensino e à pesquisa, tais como, graduação, pós-graduação e centros de pesquisa, corpos diretor, docente, discente e técnico-administrativo, além de dois representantes da sociedade civil.

    A CPA busca informações sobre indivíduos, equipes, setores e atividades da FGV DIREITO RIO para a compreensão das dimensões indicadas pela legislação CONAES/SINAES/INEP/MEC. A CPA enfatiza aspectos ligados a níveis de compromisso, de participação, de trabalho em equipe, de parcerias com outros setores, de comunicação e de cumprimento das metas planejadas coletivamente.

    As avaliações dos dados investigados pela CPA baseiam-se na leitura de documentos (Projeto Político de Curso/PPC, Plano de Desenvolvimento Institucional/PDI e de relatórios de Área), nas análises de dados coletados por formulário específico e nas discussões em torno da articulação destes com as dimensões estabelecidas pelo MEC.

  • CPA FGV DIREITO RIO - Documentos Institucionais