The Power of Open: O direito autoral em debate

quarta-feira
22/06/2011

The Power of Open: O direito autoral em debate


Foi lançado no último dia 30, quinta-feira, o livro The Power of Open. A obra, disponível em nove idiomas incluindo o português, apresenta mais de 30 casos de sucesso de produtos e serviços gerados a partir do compartilhamento de conteúdo e da colaboração, destacando o papel das licenças Creative Commons no fomento à inovação na era digital. O evento foi uma iniciativa do Centro de Tecnologia e Sociedade da Escola de Direito do Rio de Janeiro da Fundação Getulio Vargas (CTS/FGV DIREITO RIO) em parceria com o Creative Commons.

O lançamento contou com a apresentação de Gabriel Borges, um dos responsáveis pelo desenvolvimento da estratégia do Fiat Mio, de Alexandre Schneider, Secretário de Educação da cidade de São Paulo, de José Murilo, Coordenador Geral de Cultura Digital do Ministério da Cultura, de Claudio Prado, Coordenador do Laboratório Brasileiro de Cultura Digital e ex-assessor do Ministério da Cultura e do professor da FGV DIREITO RIO Ronaldo Lemos. Gabriel Borges falou sobre o processo de criação do Fiat Mio abordando as vantagens do uso das licenças Creative Commons no processo, bem como os fatores que os levaram a fazer tal escolha. Schneider contou a experiência da secretaria ao disponibilizar todo o conteúdo e material didático produzido pela pasta com a licença Creative Commons, permitindo que outras redes de ensino façam uso desde que para fins não comerciais.

The Power of Open é um estudo sobre como o licenciamento em Creative Commons e ferramentas para licenciamento de direitos autorais em geral contribuem para colaboração e inovação. O livro traz estudos de casos de cientistas, educadores, artistas e empreendedores que utilizam as ferramentas do Creative Commons. Um dos principais destaques da publicação é o Fiat Mio, um carro conceito lançado por iniciativa da equipe da Fiat no Brasil que utiliza a lógica de colaboração do Creative Commons. Tendo recebido mais de 10 mil contribuições de design, o projeto possibilitou à Fiat desenvolver um carro colaborativo que pode ser modificado por qualquer um. Outro destaque é o ProPublica que se tornou o primeiro portal de notícias da Internet a vencer um Prêmio Pulitzer.

Disponível no endereço http://thepowerofopen.org/, o livro conta com edições em inglês, português, francês e japonês. Em breve haverá versões em árabe, chinês, alemão, polonês e espanhol. Além do Rio de Janeiro, o livro está sendo lançado em outras cidades do mundo consideradas relevantes para a cultura colaborativa como Tóquio, Washington DC, Bruxelas, Londres e Paris.

Sobre o Creative Commons:

O Creative Commons é uma organização sem fins lucrativos responsável por uma estrutura global de licenciamento padronizado de direitos autorais, que atende às necessidades de criadores individuais, empresas e usuários de Internet. O projeto tem como objetivo contribuir para tornar conteúdos criativos, educacionais e científicos mais acessíveis na Internet, ajudando a liberar o poder criativo do mundo conectado.

O sistema de licenciamento do Creative Commons tem sido amplamente utilizado por diversas organizações – como Wikipedia, Al Jazeera, GlaxoSmithKline, Youtube e Flickr – e dezenas de governos, bibliotecas, museus e galerias de arte ao redor do mundo. Atualmente, mais de 500 milhões de obras utilizam licenças Creative Commons.

Sobre o Centro de Tecnologia e Sociedade da FGV DIREITO RIO:

A missão institucional do CTS/FGV DIREITO RIO é estudar as implicações jurídicas, sociais e culturais advindas do avanço da tecnologia da informação, desenvolvendo projetos relacionados àquelas áreas. O foco do CTS tem sido sempre de fomentar a inovação. Neste sentido, o CTS desenvolve atividades de pesquisa e consultoria para órgãos públicos e entidades privadas, contribuindo para a formulação de políticas públicas e para a implantação de práticas privadas inovadoras. O CTS foi responsável pela adaptação das licenças do Creative Commons no Brasil em 2004 e fez do país um dos primeiros a participar do processo de internacionalização das licenças.

Leia mais notícias: