Conheça o e-book elaborado no Field Project 2020.2 - ‘Protagonismo e liderança feminina – inovações, negócios e Direito Empresarial’

segunda-feira
08/03/2021

Conheça o e-book elaborado no Field Project 2020.2 - ‘Protagonismo e liderança feminina – inovações, negócios e Direito Empresarial’

Conheça o e-book elaborado no Field Project 2020.2 - ‘Protagonismo e liderança feminina – inovações, negócios e Direito Empresarial’

Diante da percepção de que ainda há um abismo entre a participação e desenvoltura das mulheres no cenário empresarial e a representatividade feminina na área, este projeto buscou exemplos práticos de lideranças femininas no ambiente jurídico-empresarial, no mundo empresarial lato sensu e nas áreas de inovação, para, com base nas histórias reais, compilar um portfólio que seja uma espécie de guia e ajude a conferir visibilidade a elas.

Com isso, nasceu o “florescer”. Partindo de uma iniciativa pioneira da Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas (FGV Direito-Rio), intitulada “Field Project”, a proposta busca conectar aprendizagem teórica e construção de uma contribuição prática sobre o Direito.

Assim, trazem a imagem das flores como uma releitura da relação que se faz entre este símbolo e a fragilidade, dissociação que se conecta com o objetivo que motivou o projeto: dentre os diversos “Field Projects” oferecidos, elas optaram pelo presente por acreditar que as mulheres vêm ganhando cada vez mais espaço em áreas do Direito tradicionalmente mais associadas ao masculino, com enfoque especial no Direito Empresarial e inovações tecnológicas.

Então, como sementes e frutos desta primavera, engajaram-se na inciativa criada em 2020.2 pelo professor João Manoel de Lima Junior, em parceria com a Assistente de Ensino Marília Alves de Carvalho e Silva, que é também supervisionada pela mesma, e se tornou real através do esforço de Beatriz Cortelaso Chedid, Catarina Pereira Lopes, Gabriela Prates Hupsel, Giulie Coelho Hubner, Marcelle Dumas, Paula Flanzer, Tayne Eduarda Miranda de Oliveira e Natalia Pasetti, a última como revisora.

Contam ainda com o apoio da professora Ligia Fabris e com a participação de entrevistadas externas, que demonstram a fertilidade desse solo, através de suas obras e atuações já enraizadas.

Por fim, é importante destacar que não houve a pretensão de esgotar o rol de mulheres de relevo no tema, mas sim de despertar as pessoas que integram o sistema de justiça, para a existência destas profissionais que semeiam tanto conhecimento em um campo ainda considerado masculino.

Ainda existem muitas flores que ainda não foram retratadas no presente, mas o projeto espera trazer a força feminina de muitas delas em outra primavera.

 

CONHEÇA O E-BOOK